(11) 5573-9175 • (11) 5575-6314 • (11) 5573-8940 canaldireto@colegiomirassol.com.br

Devocional Diário

22 de março

 

Amizade

 

Leitura Bíblica: 1 Samuel 17.57-18.4

O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade (Pv 17.17).

É comum ouvir que quando estamos com um bom trabalho, abastados e bem-sucedidos na vida temos um número bem grande de amigos à nossa volta; mas se perdermos tudo, em pouco tempo restam poucos ou mesmo nenhum. Isto, na maioria das vezes, é bem real, pois poucas amizades são verdadeiras.

A amizade é muito importante, inclusive no casamento. Este relacionamento exige parceria e respeito entre o marido e a esposa. Isto fará com que as promessas feitas no altar se cumpram, mesmo que venham tempos ruins. Também é preciso que ele seja revestido de humildade e de cumplicidade que aprofundem cada vez mais os laços de um convívio mútuo duradouro.

No texto de hoje lemos a respeito de Davi, um pastor de ovelhas escolhido para ser o novo soberano de Israel (Saul ainda estava no trono). O rei mandou chamá-lo para tocar harpa e ajuda-lo com os problemas que enfrentava, e demonstrou gostar do jovem. Nasceu uma grande amizade entre Davi e Jônatas, filho de Saul. Além disso, ele se tornou genro do rei ao casar-se com Mical.

Davi era reconhecido como um bom guerreiro e já havia livrado os israelitas dos filisteus ao matar o gigante Golias (1Sm. 17.48-51). Por obter vitórias nas batalhas, sua popularidade se sobrepôs à do rei. Isto gerou ciúmes em Saul e em pouco tempo a amizade se transformou em ódio, tanto que durante um de seus acessos de loucura tentou encravar Davi na parede com sua lança (1Sm 19.10a). Davi teve de fugir e para isso recebeu a ajuda de Mical. Depois, teve absoluta convicção dos planos de Saul por meio de Jônatas (1Sm 20). Estes dois filhos do rei gostavam muito de Davi e conseguiram livrá-lo do próprio pai, que queria matá-lo. Que também tenhamos amigos verdadeiros: fiéis e que nos ajudem nos momentos difíceis (veja o versículo em destaque). Acima de tudo, Jesus Cristo oferece sua amizade a quem nele crer. Ele é o melhor amigo que podemos ter, pois nunca falha! – José Donato Cavalheiro

Valorize as verdadeiras amizades e tome cuidado com as oportunistas e interesseiras.

 

Fonte: https://www.transmundial.com.br/presente-diario/amizade-6/

 

20 de março

 

Ídolos

 

Leitura Bíblica: Ezequiel 8.1-18

Adore o Senhor, o seu Deus, e só a ele preste culto (Mt 4.10b).

Você já entrou numa mansão, bela por fora, mas suja por dentro, revirada, cheia de lixo, desocupada pelo dono? Como você acha que reagiria?

Ezequiel deve ter ficado de “queixo caído” ao entrar no templo em Jerusalém, quando o Espírito de Deus o levou para lá em visões. Não sei se ele, um sacerdote, esperava ver tantas imagens de falsos deuses sendo adorados em recintos públicos e secretos do templo. Talvez ele tenha ficado boquiaberto ao ver os 70 anciãos, líderes da sua nação, juntos numa sala secreta do templo, adorando falsos deuses. Logo ali, na Casa de Deus, construída para a adoração exclusiva ao Senhor único e verdadeiro!

Nesta ocasião, lá pelo ano 590 a.C., no sexto ano do exílio, Ezequiel morava na Babilônia, atuando como profeta de Deus junto às primeiras levas de exilados judeus. Deus queria que seu profeta visse de perto todas aquelas abominações e assim entendesse e contasse aos já deportados porque a cidade e o templo seriam destruídos.

Nosso corpo também é considerado o templo do Espírito Santo (1 Co. 6.19), que habita em quem crê que é salvo por Cristo. Mas ele não ocupa nosso coração quando houver ídolos ali. Estes deuses podem ser de pedra, madeira ou em outro material, mas também podem não ter forma física. Qualquer coisa que você considere mais importante do que Deus é um ídolo. Nossa natureza corrupta é capaz de transformar tudo, inclusive algo bom, em ídolo, em “rival” de Deus: pessoas, ideais, objetos, riquezas, o eu…

A quem você dedica sua vida? Ao Deus único e verdadeiro? Ou a deuses que, por mais numerosos que sejam, jamais preencherão seu vazio existencial, além de levarem você à condenação divina? Deus vê o que há no seu íntimo, assim como via o interior das salas mais secretas do templo de Jerusalém, e sabe que ídolos ocupam o lugar que devia ser ocupado exclusivamente por ele. – Sérgio Vilmar Markus

Nenhum ídolo é capaz de dar a satisfação e a alegria que Deus concede a quem adora somente a ele.

 

Fonte: https://www.transmundial.com.br/presente-diario/idolos-2/

19 de março

 

Adivinhadores

 

Leitura Bíblica: Ezequiel 13.1,6-9

Vocês, mentindo, desencorajam o justo contra a minha vontade, e encorajam os ímpios a não se desviarem dos seus maus caminhos para salvarem a sua vida (Ez 13.22).

N o Brasil e no mundo já aconteceram muitas tragédias. Às vezes, elas podem ser previstas, como quando o excesso de chuvas em determinada área leva as autoridades competentes a alertar populações ribeirinhas sobre o risco de inundações. É um aviso que deve merecer toda atenção. Mas o que desperta mesmo estranheza é quando, depois de uma desgraça, aparece alguém na mídia dizendo que sabia que tal fato aconteceria e que estas ou aquelas pessoas morreriam. Estas adivinhações “póstumas” parecem bastante frequentes em relação a quedas de avião ou falecimento de pessoas de certa fama. A pergunta que surge aqui é: “Se sabiam que o avião cairia, porque não avisaram antes?” Por que não fizeram nada para evitar a tragédia? Se realmente sabiam, não seria até o caso de responsabilizá-los na forma da lei, por omissão de socorro?

É exatamente esse o alerta que a leitura bíblica traz contra falsos profetas e adivinhadores. Deus adverte-os de que prestarão contas de suas “visões falsas” e “adivinhações mentirosas” e receberão punição correspondente. A justificativa para isso está no versículo em destaque: com essas previsões feitas de forma irresponsável e com motivos ocultos (p.ex. para obter fama e dinheiro), tais videntes acabam incentivando os maus ao prometer-lhes vida boa independentemente dos seus erros e desencorajam as pessoas corretas a permanecerem firmes no caminho da justiça – afinal, aparentemente “o crime compensa”. Ao levá-las a dar crédito a mentiras, roubam-lhes a esperança.

Em vez de se preocupar com o futuro, a pessoa realmente interessada no bem-estar do seu próximo não fará revelações absurdas nem pedirá contribuição financeira. Em vez disso, andará ao lado dele, ajudando-o já no presente. – Vanderlei Schach

Acredite em quem realmente se importa com você: Jesus. Só ele pode mudar seu presente e transformar seu futuro.

 

Fonte: https://www.transmundial.com.br/presente-diario/adivinhadores/

18 de março

 

A bênção

 

Leitura Bíblica: Números 6.22-27

A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vocês (2Co 13.14).

Se você frequenta uma igreja cristã, deve estar acostumado a ouvir uma bênção no final dos cultos, uma oração para que aqueles que acabaram de participar da celebração voltem para as suas casas fortalecidos. Há várias formas de fazer essa oração, como mostram os exemplos da leitura bíblica de hoje e o versículo em destaque. Por meio da bênção, todos os presentes reconhecem que precisam da presença de Deus Pai, Filho e Espírito Santo em sua vida.

Podemos aprender com esses textos. Pouco antes da bênção, Paulo concluiu sua carta aos coríntios recomendando-lhes que corrigissem seu proceder, que fossem unidos e vivessem em paz. Seu desejo era que eles se sentissem encorajados por tudo que ele havia falado. A promessa é que, se eles vivessem em paz, Deus estaria sempre com eles. Essa companhia é a mais rica bênção, isto é, o melhor presente que se pode receber.

Ao invocar a graça de Jesus sobre seus leitores, Paulo lembra que precisamos todos os dias recorrer ao sacrifício gratuito (para nós) que Cristo fez na cruz em favor de todo ser humano. Só ele pode nos libertar do pecado e da morte. Sem essa graça, estamos perdidos. Ao mencionar o amor de Deus, o apóstolo aponta para a origem da graça: foi por amor que Deus decidiu entregar seu filho para nos salvar. Não havia nada que pudéssemos fazer para merecer isso. Por fim, Paulo deseja a comunhão do Espírito Santo para seus leitores. É ele que nos consola, orienta e, acima de tudo, mantém perto de Deus.

Mas a bênção também nos adverte: Deus fez tudo isso por nós, e a nós cabe responder com submissão, obedecendo em tudo como Jesus obedeceu, amando o próximo como Deus nos ama e permitindo que o Espírito Santo nos ensine constantemente a agir, falar e pensar de forma agradável a Deus. – Hebert dos Santos Gonçalves e Doris Korber

A melhor bênção é aquela que nos ajuda a ficar perto de Deus.

 

Fonte: https://www.transmundial.com.br/presente-diario/a-bencao/

15 de março

 

Atrocidades

 

Leitura Bíblica: Romanos 7.15-25

No íntimo de meu ser tenho prazer na Lei de Deus, mas vejo outra lei atuando nos membros do meu corpo… (Rm 7.22-23a).

Vivemos tempos de grande violência, numa escalada de calamidades e atrocidades cada vez piores. A cada semana, uma nova tragédia nos deixa de coração partido e profundamente tristes. De onde vem tanta maldade, que se manifesta em todo mundo? Tudo começou com Adão e Eva, que viviam em plena paz com a natureza e com o Criador. No entanto, não satisfeitos com o que tinham, queriam ser como Deus. Caíram na mentira contada pela serpente e desobedeceram ao Senhor. Deixaram seus desejos naturais controlá-los e, como resultado, seu relacionamento com Deus foi quebrado.

Na leitura bíblica de hoje, Paulo deixa claro que o problema da maldade humana não é só de bandidos ou pessoas que não conhecem a Deus. Ele mesmo reconhece que não consegue fazer o bem que deseja, mas que a toda hora cede aos seus impulsos naturais, que invariavelmente o levam a cometer o mal. Ele, o autor de grande parte das cartas do Novo Testamento, incapaz de fazer o que é certo? Infelizmente, essa é a verdade que cada um de nós vive: os “desejos da carne”, isto é, nossos impulsos e anseios naturais sempre nos levam para longe do Senhor. Dessa forma, nem mesmo uma pessoa sensata, racional e de boa índole pode dizer que nunca praticou um ato mau. Todo mundo faz coisas que não quer, mas se sente fraco demais para resistir. Então, já que não dá para combater, o jeito é justificar, e os meios de comunicação se mostram aliados excelentes, propagando uma pregação constante sobre práticas más apresentadas como aceitáveis e até desejáveis – um bom exemplo são as novelas.

Para não ser derrotado nessa luta, o único jeito é “agarrar-se” a Jesus: ele fornece perdão quando erramos, renova nosso ânimo para pedir ajuda a Deus e fortalece nossa disposição por meio do Espírito Santo, dando-nos força para agir corretamente. – José Donato Cavalheiro

Para resistir à luta entre o bem e o mal na sua mente, reconheça sua fraqueza e peça ajuda a Deus.

 

Fonte: https://www.transmundial.com.br/presente-diario/atrocidades/

14 de março

 

Eliminados

 

Leitura Bíblica: Lucas 19.47-48

A boca do justo é fonte de vida, mas a boca dos ímpios abriga a violência (Pv. 10.11).

A palavra “eliminado” sugere algo negativo, que nos tirará de cena por um tempo. Mas e se fosse por uma boa causa? Tudo muda de repente!

O texto de hoje mostra que o povo ouvia o ensino de Jesus e ficava maravilhado com seu conteúdo. Porém, havia um grupo específico que sentia ódio quando ele falava e agia (mesmo que para o bem) e queria eliminá-lo para nunca mais precisar ouvi-lo nem vê-lo. O que será que Jesus dizia que incomodava aqueles homens? Por que demonstravam tanta raiva? Eles não queriam ouvir que precisavam se arrepender de práticas que desagradam a Deus e mudar de vida. Alguns deles também não gostavam de suas palavras porque eram dominados por inveja e violência.

Quando esteve na terra, Jesus demonstrou amar as pessoas ajudando-as, por exemplo, por meio da cura física e espiritual. Mesmo assim, foi perseguido por homens maus até que enfim conseguiram eliminá-lo. Porém, ele não permaneceu morto: ressuscitou, vencendo a morte. Então valeu a pena tudo o que passou!

Em nossos dias, também há pessoas que não querem ouvir algumas palavras. Quais? As que levam a uma nova vida: a necessidade de arrependimento; de deixar a ira, a violência, a inveja e o orgulho; de crer em Cristo, entregar a vida a ele e seguir aquilo que ele ensinou. Mas também encontraremos pessoas que vão compreender estas palavras e conhecer Jesus. A pergunta que fica é: vale a pena correr o risco de ser eliminado por proclamar palavras de vida? Sim! Se Jesus foi perseguido, precisamos entender que ele ajudará os seus seguidores a enfrentar todos que os perseguem. Se Jesus morreu por amor a nós, não haverá melhor morte para um cristão do que por amar a Deus! A mensagem principal é que os filhos de Deus não podem deixar de falar de tão grande amor. Afinal, todos morrerão, mas este momento será sem igual se for por um excelente motivo! – Aline Coscioni Schach

Se for por amor a Deus, até mesmo ser eliminado vale a pena!

 

Fonte: https://www.transmundial.com.br/presente-diario/eliminados/

 

13 de março

 

Foco errado

 

Leitura Bíblica: Salmo 73.1-17

Para mim, bom é estar perto de Deus (Sl. 73.28a).

No salmo 73, o autor fala a respeito de uma lição que aprendeu, introduzindo o assunto com a verdade que entendeu (“Certamente Deus é bom…”) e o reconhecimento de que o problema enfrentado na verdade nasceu de sua própria inveja, de um defeito pessoal. Ao longo do salmo, fica claro que ele precisava entender qual era o foco espiritual correto para a vida.

Seus grandes questionamentos apareceram porque ele estava se concentrando em seu próximo e não em Deus. Esse é um hábito muito comum. Quer sejamos cristãos ou não, somos afeitos a analisar a vida do próximo em vez da nossa. Estamos sempre comparando conquistas, riquezas, amizades, personalidades, etc. Afinal, os defeitos dos outros ajudam a esconder os nossos próprios.

Assim, o salmista descreve o que sentia: os maus prosperam injustamente, não são castigados, desprezam a Deus… e isso o leva a lamentar a sua situação, pois julga que Deus está sendo injusto. Na realidade, porém, a crise surge justamente em virtude de errar o foco do olhar: concentrar-se nos outros diminui a imagem que se tem do Senhor. Basta mudar nosso foco para a natureza de Deus e os inúmeros presentes, pequenos e grandes, que ele nos dá em virtude do seu amor e pronto: de repente a nossa perspectiva começa a mudar. Na minha experiência pessoal com aconselhamento, vejo que todo mundo facilmente se revolta contra Deus, acusando outras pessoas de causarem seus problemas, atribuindo suas dificuldades pessoais a abandono, injustiça, traições e muitos outros males. O salmista dá um bom exemplo aqui ao reconhecer que sua crise tinha um único culpado: ele mesmo.

Em nossa vida espiritual, o foco certo é deixar que Deus olhe para dentro de nós e nos mostre o que ele está vendo. As cenas não serão bonitas, mas é assim que começa a cura de Deus em nós, levando-nos à mesma conclusão que o salmista: para mim, bom é estar perto de Deus. – Manoel de Jesus The

Ver os defeitos do próximo não leva a nada; encarar as minhas mazelas é o começo para que Deus me transforme.

 

Fonte: https://www.transmundial.com.br/presente-diario/foco-errado-2/

12 de março

 

Igual?

 

Leitura Bíblica: Números 20.1-13

Bata na rocha, e dela sairá água para o povo beber (Êx. 17.6b).

Você já passou por uma situação que se repetiu e pensou que sabia o que fazer? Será que foi isso que aconteceu com Moisés no texto de hoje? Quando a peregrinação rumo a Canaã estava em seu início, não havia água no deserto de Sim. Os israelitas reclamaram, e a ordem divina para resolver o problema foi a que está registrada no versículo em destaque. A água jorrou da rocha e o local foi chamado de Massá e Meribá (Êx 17.1-7).

Agora, já bem mais próximos da Terra Prometida, faltou água para a multidão num deserto de nome parecido, Zim. De novo os israelitas reclamaram, culpando Moisés por tê-los tirado do Egito. O episódio fica ainda mais semelhante ao primeiro quando Deus diz que Moisés deve pegar sua vara e tirar água da rocha. Situação parecida, solução igual? Foi o que Moisés fez: bateu na pedra. Deu certo, como em Sim. Mas então por que a Bíblia nos diz que foi devido a este episódio que Moisés e Arão não puderam entrar em Canaã (Dt 32.51)?

A questão é que agora a ordem era outra: em vez de bater, falar à rocha. Aliás, Moisés falou, mas foi com o povo: chamou os israelitas de rebeldes e demonstrou toda sua impaciência e indignação com as reclamações deles. É verdade que elas foram constantes em toda jornada, mas de que adiantava ele se juntar ao grupo dos reclamadores? Rebelde era ele mesmo! Além disso, falou como se ele e o irmão pudessem tirar a água de uma pedra sozinhos (“será que teremos…”), deixando de glorificar a Deus e atribuir a ele o milagre. Foram desobedientes e arrogantes. Estas águas também foram chamadas de Meribá, que significa “rebelião” (em Êx. 17, do povo; aqui, de todos).

E nós, ouvimos com clareza as ordens de Deus ou pensamos que já sabemos o que fazer e não prestamos atenção às suas instruções? Situações parecidas nem sempre pedem as mesmas atitudes. Ouça bem e faça exatamente o que Deus orientar, para não ser desobediente como Moisés e Arão! – Vanessa Weiler Ribas

Situações parecidas com instruções diferentes? Uma coisa continua igual: a necessidade de obedecer a Deus!

 

Fonte: https://www.transmundial.com.br/presente-diario/igual/

 

 

 

11 de março

 

Onipotente

 

Leitura Bíblica: Isaías 45.1-9

O Altíssimo domina sobre os reinos dos homens e os dá a quem quer (Dn 4.25d).

De vez em quando, aparecem livros, filmes e vídeos sobre um tema que fascina a muitos: quem, afinal, controla o mundo? Apostam-se no poder de supostas ordens secretas, como os Illuminati, o Clube de Roma, os maçons, a Opus Dei e outras mais. Elas determinariam o rumo dos governos. Estaríamos sujeitos, como espectadores impotentes, às suas tramas na política internacional.

O texto da leitura de hoje nos revela quem está, de fato, no controle do mundo. É o próprio Deus, único e verdadeiro, santo e justo, criador de todas as coisas. Somente ele, que fez o universo do nada, com toda sua complexidade e grandiosidade, é capaz de mantê-lo sob seu domínio. Um exemplo do agir soberano de Deus está no texto de hoje. Isaías registra que Deus levantaria Ciro para abater as nações. Referia-se ao imperador persa, que em 539 a.C. derrubou a Babilônia e depois permitiu o retorno dos judeus cativos à sua pátria. Esta profecia foi dada uns 100 anos antes de Ciro nascer, se considerarmos que Isaías atuou aproximadamente entre os anos 740 e 680 a.C. O conquistador persa foi levantado por Deus com o propósito de libertar seu povo do exílio babilônico, como se lê no v.4 da leitura de hoje. Ciro não tinha ideia disto e nem conhecia o Deus de Israel.

Deus levanta até governantes que classificaríamos como maus. Mas ele tem suas razões. No episódio da queda de Jerusalém, por exemplo, Deus usou Nabucodonosor, rei da Babilônia, como instrumento de castigo contra os judeus. Estes não se arrependeram da sua rebeldia contra o Senhor, apesar das constantes advertências dos profetas. Saiba que Deus está no controle – inclusive sobre os que pensam dominar o mundo. Ele move a História em direção a um propósito eterno. Por que temer os planos, secretos ou não, de homens mortais? Confie no Senhor, pois somente ele é “o Senhor dos senhores e o Rei dos reis” (Ap 17.14b). – Sérgio Vilmar Markus

Se Deus domina o mundo, também é capaz de conduzir a minha vida.

 

Fonte: https://www.transmundial.com.br/presente-diario/onipotente/